Aeronaves militares que quase deram certo (parte 2)

(…continuação)

Aeronaves militares que quase deram certo:

F-85 Goblin
Aeronaves

O Goblin, apelidade de “ovo voador”, foi concebido durante a Segunda Guerra e deveria ser um avião dentro de um avião. A intenção era carregá-lo no compartimento de mísseis do enorme Convair B-36. Deveria atuar em sua defesa – um caça parasita que seria lançado em caso de necessidade, lidando com os caças inimigos enquanto o B-36 seguia a rota. Quando a missão era completada, o Goblin era guinchado por um sistema instalado sob o B-36, retornando ao seu “hangar”. Devido ao seu procedimendo de “pouso”, o F-85 nunca foi equipado com algum tipo de trem de pouso.
No final das contas era uma ideia bem legal, mas o projeto logo desandou. A razão era quase dolorosamente óbvia: a Força Aérea decidiu que o reabastecimento aéreo era uma forma muito mais segura de aumentar a autonomia dos caças.

Republic XF-103 Thunderwarrior
Aeronaves

O Thunderwarrior foi desenvolvido no começo da Guerra Fria como um interceptador de bombardeiros, mas nunca passou da fase de modelos em escala. O trabalho em protótipos era sempre atrasado por problemas com motores. O bico da aeronave era completamente consumido por um enorme radar que oferecia detecção de longo alcance para a época. Seus mísseis eram carregados em compartimentos na lateral da fuselagem. O projeto foi cancelado em 1957.

A-12 Avenger II
Aeronaves

O Avenger II ainda consegue parecer futurista. Foi parte de um programa conjunto entre McDonnel Douglas e a General Dynamics. A intenção era baseá-lo em porta-aviões para que atuasse como um bombardeiro capaz de enfrentar qualquer tempo. Foi planejado para substituir o envelhecido A-6 Intruder.

O conceito de asa voadora voltou à cena na década de 90; o Avenger tinha a forma de um triângulo isósceles com o cockpit em seu ápice. O compartimento de armas podia carregar bombas inteligentes e outros dispositivos de lançamento. Não foi surpresa que o pessoal envolvido no projeto A-12 tenha o apelidado de “dorito voador”. O projeto foi cancelado em 1991 devido ao custo elevado.

Convair XFY Pogo
Aeronaves

O Pogo foi um experimento em decolagem e pouso vertical conhecido como “tailsitter” (sentar sobre a cauda, em uma tradução livre). Decolou e pousou sobre sua cauda e foi feito para operar em pequenos navios de guerra. A decolagem foi fácil, mas os problemas apareceram com o pouso: o piloto precisava olhar para trás, sobre seu ombro, para julgar a distância entre o avião e o chão ao mesmo tempo em que controlava o acelerador para levar o avião à sua posição de decolagem.


Deixando problemas técnicos como este de lado, se o projeto tivesse continuado, somente os pilotos mais experientes poderiam voar com o Pogo – e colocar um desses pilotos em cada navio seria inviável. Contudo, com somente metade da velocidade dos caças a jato contemporâneos (Mach 2, na época), o projeto interrompido em 1954.

Lockheed YF-12
Aeronaves

Vamos encerrar a lista com um sucesso – bem… quase. O Lockheed YF-12 foi um protótipo interceptador descendente do SR-71 Blackbird. Entretanto, apesar da quebra de inúmeros recordes durante os testes (inclusive a velocidade recorde de 3.331,5 km/h e a altitude recorde de 24.463 metros, ambos em 1º de maio de 1965), o programa foi encerrado em 1968. Uma palavra diz tudo: Vietnã. Na época, a defesa continental dos EUA não era prioritária, e o projeto foi engavetado. via


Gostaram?

Gostou do Post?
Dê um CURTIR, COMPARTILHE e faça um COMENTÁRIO: