Infecção urinária

O que é infecção urinária?

A infecção urinária (ITU) é uma infecção que atinge qualquer parte do sistema urinário, desde os rins, a bexiga, até a uretra. É definida como a presença de microorganismos em alguma parte desse sistema.

A ITU pode atacar indivíduos de qualquer idade e sexo, mas é extremamente mais comum entre as mulheres. Isso se deve provavelmente a fatores anatômicos. Além disso, os hábitos de higiene após o uso do toalete, como a passagem do papel higiênico em direção ânus-vagina, favorece o transporte de microorganismos intestinais até a vulva. Outro fator importante é que a uretra feminina é bem menor que a masculina, o que favorece o caminho das bactérias desde a entrada da uretra até a bexiga.

O que causa a ITU?

A ITU ocorre principalmente quando os microorganismos, na maioria dos casos bactérias, “sobem” pela uretra e atingem a bexiga, os ureteres e os rins.

Um fator de extrema importância no desenvolvimento da ITU é a estase urinária. Isso acontece quando há uma dificuldade de esvaziamento da bexiga, e a urina fica acumulada por muito tempo. Isso favorece a proliferação de bactérias na urina, levando ao desenvolvimento de infecção.

Fatores que aumentam a chance de desenvolvimento de ITU:

• Sexo feminino;
• Gravidez: há uma diminuição das defesas da mulher; além disso, durante a gestação há um aumento da progesterona (um dos hormônios femininos), o que causa um relaxamento maior da bexiga e favorece a estase urinária;
• Hábitos de higiene inadequados;
• Diabetes;
• Climatério: as alterações do organismo da mulher favorecem o desenvolvimento de ITU;
• Obstrução urinária: qualquer fator que impeça o fluxo constante de urina, como aumento da próstata, defeitos congênitos, cálculos urinários (“pedra nos rins”), tumores;
• Corpos estranhos: a inserção de corpos estranhos pode carregar as bactérias para o sistema urinário e servir como local de aderência e proliferação, como sondas;
• Doenças neurológicas: interferem com os mecanismos de esvaziamento da bexiga, favorecendo a estase de urina;
• Doenças sexualmente transmissíveis;
• Infecções ginecológicas.

Quais são os sintomas?

• Dor ao urinar;
• Ardência na uretra durante a micção;
• Dificuldade para iniciar a micção;
• Urgência miccional: quando a pessoa sente uma vontade súbita de urinar;
• Ato de urinar várias vezes ao dia e em pequenas quantidades;
• Urina com mau cheiro, de coloração alterada;
• Pode haver eliminação de sangue na urina, que fica avermelhada, acastanhada.

O indivíduo pode sentir dor na parte baixa do abdome, associada ou não ao ato de urinar. Quando a infecção acomete o rim, o quadro é bem mais grave e o paciente apresenta febre, calafrios, dor lombar (dor nas costas), náuseas, vômitos.

Como é feito o diagnóstico?

O principal exame a ser solicitado por um médico é o exame de urina. Ele é capaz de mostrar a presença de bactérias na urina e também outros sinais que ajudam a fazer o diagnóstico. Juntamente com o exame de urina rotina costuma-se solicitar uma cultura (urocultura), que pode mostrar proliferação de bactérias e permite identificar qual é a causadora da doença.

E o tratamento?

O tratamento da ITU é feito com antibióticos, escolhidos de preferência após os resultados da cultura de urina. Entretanto, isso não é necessário na maioria das vezes. A duração depende do tipo de infecção urinária e do antibiótico escolhido, podendo durar 3, 7 10 ou 14 dias. É importante que se faça o tratamento durante todo o período prescrito pelo médico, para evitar a recorrência do quadro.

Como se faz a prevenção da ITU?

• Ingerir bastante líquido (média de 2 litros por dia);
• Evitar reter a urina, urinando sempre que a vontade surgir;
• Prática de relação sexual protegida;
• Urinar após relações sexuais;
• Evitar o uso indiscriminado de antibióticos, sem indicação médica.

Para as mulheres:

• Limpar-se sempre da frente para trás, após usar o toalete;
• Lavar a região perianal após as evacuações;
• Evitar o uso de absorventes internos;
• Evitar a realização de “duchas”, “chuveirinhos”;
• Evitar o uso constante de roupas íntimas de tecido sintético, preferir as de algodão;
• Usar roupas mais leves para evitar transpiração excessiva na região genital.

(ABC da Saúde e Boa Saúde)

Em janeiro, a modelo Mariana Bridi da Costa, de 20 anos, morreu devido “complicações de uma infecção urinária generalizada gravíssima”.

O CRIATIVO DE GALOCHAS ALERTA: visite regularmente seu ginecologista ou médico!

Gostou do Post?
Dê um CURTIR, COMPARTILHE e faça um COMENTÁRIO: